14 de jun de 2009

Amigos divulguem, por favor - Paraisópolis exige respeito

O Paraíso e o inferno, lado a lado.

Paraisópolis, uma favela cobiçada pelas grandes construtoras

Convido o leitor a conhecer o outro lado da notícia que a mídia antiga sonega. Paraisópolis vista pelos seus moradores, para além das mentiras de Kassab e Serra. Surgiu o blog Paraisópolis Exige Respeito - http://campanhaparaisopolis.wordpress.com/, uma demonstração clara do poder da internet para quebrar as barreiras que a mídia golpista ergue entre a informação e aqueles que necessitam dela, os cidadãos.

Muitas grandes cidades do mundo hoje têm esse contraste entre a riqueza nababesca e a extrema pobreza vivendo lado a lado. São Paulo e Rio, por exemplo. Em São Paulo, isso vai a um extremo que talvez não encontremos em nenhum outro lugar do mundo. Veja-se o caso do edifício Paço dos Reis. Ele tem, como se pode ver na figura, UMA PISCINA POR APARTAMENTO.

Uma piscina por andar, de um lado. Do outro, o mundo real

É o símbolo da era neoliberal, de exacerbação da exploração capitalista. Neste período de 10 a 15 anos que se encerrou junto com o século 20, os ideólogos desse sistema diziam que o Estado deveria ser tão pequeno a ponto de podermos "afogá-lo numa banheira". Estado mínimo significa serviços mínimos e absurda concentração de renda e poder.

O neoliberalismo, que teve como pontos de apoio o FMI, o Banco Mundial e os governos (quase todos) da América Latina, resultou em ricos indecentemente ricos e uma gigantesca massa de pobres empurrados ainda mais para a miséria e a condição de vida degradante.

Mesmo lá, nos EUA, a desregulamentação e o Estado mínimo deu no que deu: desastre. Aqui no Brasil, o PSDB e o antigo PFL, atual Demo, foram as forças políticas que representaram essa iniquididade política, econômica e social. Eles implantaram, a ferro e fogo, a política preconizada pelos neocons. Hoje essas forças políticas são viúvas de Wall Street.

A política da prefeitura de São Paulo e do governo do Estado é de terrorismo contra os moradores de Paraisópolis. A intenção é arrancar, à força, a favela de lá, pois o metro quadrado da região é muito valioso e cobiçado pelas grandes construtoras, como a Camargo Correia (aquela do buraco do Metrô) e outras. Acompanhemos, pois, o novo canal de expressão dos moradores de Paraisópolis!! Viva a Internet Livre!!

Do RLocatelli Digital - 01.06

2 comentários:

  1. Puxa, é uma honra ter meu texto publicado aqui. Obrigado!

    ResponderExcluir
  2. A população que lhe agradece por esta iniciativa.
    A sensibilidade precisa tocar o coração de cada um.
    Precisamos de união para ajudar esta população, são crianças, velhinhos, famílias que precisam ter um teto, uma vida digna.
    Precisamos ter mais interesse pelo próximo

    Gde abraço amigão.

    ResponderExcluir