12 de jul de 2009

Geração sustentável - Educação ambiental vai além da sala de aula para formar adultos do futuro mais conscientes

Por Verônica Mambrini
PEQUENOS AGENTES Alunos do Pentágono são estimulados a refletir sobre as relações com o meio ambiente

Eles reciclam lixo e transformam restos orgânicos em adubo. Tomam refrigerante de garrafas retornáveis e rejeitam produtos que vêm com muitas embalagens. Plantam árvores desde pequenos e pesquisam na internet o impacto ambiental de suas ações. Ficam escandalizados quando alguém joga lixo no chão ou desperdiça água num banho longo. Se possível, pedalam ou combinam caronas para chegar ao seu destino. Não, não são ativistas ecochatos. Essa é a nova geração que está se formando nas escolas hoje, dos pequenos em idade pré-escolar aos adolescentes questionadores.

A preocupação com ecologia não é propriamente uma novidade, pois há cerca de 20 anos vários colégios já abordavam questões ambientais. Mas o posicionamento hoje é diferente: o aluno se tornou protagonista e não espectador dos problemas que discute em sala de aula. E espera-se que o estudante leve para a vida o que aprendeu. Eduardo Rios Lohmann, 10 anos, do Colégio Pentágono, está envolvido em várias atividades de educação ambiental na escola. Sobra "lição de casa" até para os pais. "Reclamei com minha mãe até ela parar de escovar os dentes com a torneira aberta", orgulha-se. A mãe, a pedagoga Glória Lohmann, se diverte com a fiscalização. "É uma coisa dele, mas a escola e os programas de tevê aos quais ele assiste reforçam a noção de consciência ambiental", afirma.

No Pentágono, o professor de ciências Rogério Tadeu Sant'Anna usou uma oficina de reciclagem de lixo eletrônico para conscientizar os alunos. Eles trazem de casa eletrodomésticos que seriam descartados, desmontam as peças e as encaminham para reciclagem. "Eles passam a reconhecer os materiais, o que é reciclável e o que não é, e aproveitamos para discutir o consumismo", afirma Sant'Anna. Já foram desmontadas mais de três toneladas de aparelhos quebrados e sem possibilidade de conserto.

No interior de São Paulo, em Sorocaba, a palavra de ordem do Colégio Véritas é pedalar para reduzir emissões de carbono, exercer a cidadania e ocupar o espaço público. "O uso da bicicleta é fundamental para o meio ambiente e para a saúde", afirma Bárbara Figueroa Muñoz, diretora do colégio. A cada pedalada, os alunos calculam quanto de carbono deixaram de emitir. Outra ação é a Recicleta: com peças doadas, eles montam bikes e as entregam para comunidades carentes. O aluno Eduardo de Lima Helaehil, 13 anos, participa do projeto. "É muito divertido e sei que estou ajudando alguém", diz. Bárbara afirma que, pelo uso diário, a bicicleta promove um aprendizado constante. "A educação tem de gerar transformação."


Clique para ampliar

Transformar a sociedade mantendo o respeito ao meio ambiente está dentro de toda a grade curricular da Escola Stance Dual, em São Paulo. A questão é tão importante para a escola que a instituição é adepta da Agenda 21, compromissos resultantes da Rio 92 (conferência ambiental mundial que ocorreu no Rio de Janeiro em 1992), e tem coordenadoria própria. "É encarado como um projeto transversal. Está em todas as aulas que comportam os conteúdos socioambientais no currículo", diz Débora Moreira, coordenadora da Agenda 21 da escola. "A partir do momento em que o aluno é protagonista, estamos formando cidadãos com conhecimento, que entendem as razões e a necessidade de agir." A Recicloteca da escola, por exemplo, incentiva a transformação de embalagens em brinquedos que serão doados à comunidade.

A aluna Caroline Vecci, 9 anos, participa das campanhas de racionalização do uso da água. Além de mudar sua forma de consumo, ela atua na conscientização de outras pessoas. "Fazemos cartazes e folhetos, ensinando como economizar água. Outra ação importante foi a entrega de marca-páginas e adesivos na rua", diz a estudante.

Outro recurso com bastante relevância na formação dos adultos de amanhã são as excursões in loco. Morador de Cuiabá, João Vitor de Ceni Diogo, 12 anos, tomou consciência dos impactos do turismo em uma viagem ao Pantanal. "Vale a pena investir em turismo sustentável para que as próximas gerações possam ver o Pantanal como a gente vê hoje", diz o menino. A vivência direta da realidade é fundamental para tocar os alunos, acredita a professora de João Vitor e responsável pelo projeto, Aparecida de Fátima Trandini, do Colégio Salesiano São Gonçalo. "Damos ferramentas para que eles mantenham viva a riqueza natural", diz Aparecida. O importante é fazer a educação ambiental ultrapassar os muros da escola.

FOTOS: ROGÉRIO ALBUQUERQUE, MURILLO CONSTANTINO - AG. ISTOÉ. ARTE: EDI EDSON

Nenhum comentário:

Postar um comentário