21 de fev de 2010

A mídia está escondendo as conexões entre Arruda do DEM (Demo ou Democratas) e Serra do PSDB (tucanos)

Altamiro Borges, de São Paulo, escreve no site www.vermelho.org.br que há algumas semanas o blogueiro Luis Nassif adverte para um fato grave que continua ignorado pela mídia golpista: "Duas investigações em andamento - a Operação Castelo de Areia e o caso José Roberto Arruda - estão batendo direto no sistema de financiamento de campanha do governador José Serra... Não é nada trivial. Não se trata de denúncias de oposição, de suspeitas, mas de investigações policiais calcadas em provas, depoimentos de testemunhas, documentos".

No final de dezembro, a revista "CartaCapital" confirmou a existência da "conexão Serra - Arruda", como Nassif batizou sua descoberta. Ela revelou que o administrador de empresa Ailton de Lima Ribeiro, "homem de confiança de José Serra", é um dos envolvidos no escândalo do "mensalão do DEM". Filiado ao PSDB, Ribeiro trabalhou com Serra no Ministério da Saúde e na prefeitura de São Paulo. Na sequência, prestou serviços ao prefeito demo Gilberto Kassab. Desde março de 2009, ele era um colaborador íntimo de José Roberto Arruda, o governador do Distrito Federal." Continuemos com Altamiro nas Notas Curtas.


Homem de Serra - Segundo aponta a revista, "ao desenrolar o novelo do Arrudagate, o fio das investigações aponta para um esquema formado por uma rede de empresas beneficiadas por contratos milionários no Distrito Federal e em São Paulo". Ribeiro é o principal envolvido. O gestor tucano já havia sido alvo de outras denúncias. Após ocupar vários cargos importantes no Ministério da Saúde, ele foi afastado do órgão durante as investigações da Máfia do Sangue. Em outubro de 2008, também foi citado no rastro da investigação da Operação Parasitas, que apurou a existência de um grupo de empresas que fraudava e superfaturava contratos na área de saúde com a prefeitura paulistana.

Kassab sabia - Com o estouro do escândalo do "mensalão do DEM" de Brasília, outro demo, Gilberto Kassab, decidiu suspender o contrato milionário, sem licitação, feito pela Secretaria Municipal de Saúde com o Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (IABAS), no valor de R$ 15,8 milhões. "A prefeitura já havia pago, antecipadamente, R$ 2 milhões. Surpresa: Ribeiro faz parte da diretoria do Iabas. O seu nome consta do site da organização como diretor de gestão em saúde pública", relata a revista, que descreve outros casos sinistros envolvendo o versátil administrador tucano.

Ensurdecedor silêncio - Para o blogueiro Luis Nassif, não há mais dúvidas sobre a existência da conexão Serra-Arruda. A sujeira é fedorenta. Ele observa que a reportagem confirma "um novo operador de José Roberto Arruda, diretamente ligado ao governador Serra. Antes de Arruda, o operador atuou diretamente na montagem do sistema de terceirização da saúde em São Paulo. Há tempos pessoas do setor tinham me dito que o modelo era a reedição dos esquemas pesados do PAS, da gestão de Paulo Maluf. Luis Nassif é taxativo: "Ailton de Lima Ribeiro é homem de confiança de Serra".

Mais um serrista - Ele destaca ainda que "o prefeito Kassab anulou um contrato milionário, sem licitação, entre a Secretaria da Saúde do município - sob responsabilidade de Januário Montone, também ligado diretamente a Serra. Um dos sócios da empresa sob suspeita é o próprio Ailton". Outra pista é que Ailton seria "o principal responsável pela contratação, em São Paulo, das mesmas empresas de informática que integram o esquema de Arruda". Diante de tantos indícios, é muito estranho o ensurdecedor silêncio da mídia. Será que existiria também uma conexão Serra-Arruda-mídia?

Portanto - Quem vê Serra com cara de quem quer desistir de ser candidato mesmo estando ainda na liderança das pesquisas, pode deduzir que existem coisas muito mais graves que o desgaste político que o estouro do "mensalão do DEM" provocou em seu projeto presidencial, em que Arruda estava cotadíssimo para ser o vice. De repente, tem-se a impressão de que desmoronou o que se imaginava ser o sólido castelo do esquema de financiamento. Crispiniano Neto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário