4 de set de 2009

No RS Polícia torturou crianças, em São Paulo assassinou jovem.

Professor Mazucheli - 02.09.09

Barbárie brasileira : No Rio Grande Do Sul, para os que lutam pela democracia no campo - bala e mordida de cachorro... Em São Paulo para os que lutam pela sobrevivência na perifeira - cemitério e relento.


Chocado com esses dois fatos lembrei-me de uma música...(Facção Central)

"Prevejo o mercado saqueado bala de borracha, escudo do choque tomando pedrada, guerra civil em praça pública socorro professor com sangue no rosto, mordida de cachorro, sem teto, sem terra, sem prespectiva, sem estudo, sem emprego, sem comida, o pavil da dinamite ta aceso, qual será o preço pra eu ter os meus direitos. Sequestrar, atirar, queimar pneu na avenida, invadir a fazenda improdutiva, só jogamo ovo por isso nada mudou, quem sabe o presidente na mira do atirador. Em são paulo 35 por dia chega, tolerância zero, ou caba trincheiro, serial killer do planalto continua em ação, discurso ou revólver ta na hora da revolução".


Vamo aos fatos:
No Rio Grane do Sul ... repostagem da folha de São paulo
Depoimentos apontam uso de cães contra filhos de membros do MST em ação que deixou um sem-terra morto. Brigada Militar e Secretaria da Segurança Pública do Rio Grande do Sul dizem que só vão se manifestar quando tiverem acesso ao relatório



Por EDUARDO SCOLESE DA SUCURSAL DE BRASÍLIA & GRACILIANO ROCHA DA AGÊNCIA FOLHA, EM PORTO ALEGRE

A Secretaria dos Direitos Humanos da Presidência vai denunciar a tortura de crianças e o uso de armas de choque elétrico na ação de policiais militares do Rio Grande do Sul que resultou na morte de um sem-terra, no mês passado.
Identificada por meio de depoimentos colhidos na semana passada em São Gabriel, a citada tortura física e psicológica de crianças inclui xingamentos, uso ostensivo de cachorros e da cavalaria e ferimentos por meio de estilhaços de bombas lançadas pelos brigadistas -um bebê foi atingido no rosto.
Um relatório com esses termos será encaminhado nesta semana para Ministério Público Federal e Estadual, Comissão de Direitos Humanos da Câmara e da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, Ministério da Justiça e Corregedoria Geral da Brigada Militar.
A ação policial ocorreu durante a reintegração de posse da fazenda Southall. O sem-terra Elton Brum da Silva foi morto com um tiro nas costas. O autor do disparo, soldado da brigada cujo nome não foi revelado, foi afastado de suas funções.
Outras 13 pessoas ficaram feridas na ação de despejo de 550 integrantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais sem terra). Cerca de 300 policiais estavam na operação.
A Folha teve acesso a um ofício preliminar enviado pela Secretaria dos Direitos Humanos no final da semana passada ao corregedor-geral da Brigada Militar, coronel Paulo Porto.
No documento, a secretaria cita "emprego desproporcional e inadequado da força policial letal" e afirma que a brigada está "aparentemente preparada de modo insuficiente para lidar com situações que envolvam o controle de distúrbios civis".
"A rigorosa apuração da morte (...), para além de garantir justiça neste caso concreto gravíssimo de violação dos direitos humanos, poderá contribuir para o aperfeiçoamento da Brigada Militar, adequando-a a parâmetros mínimos de polícia democrática", afirma o ofício do governo federal, assinado por Ailson Silveira Machado, da Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos.
O MST realizou ontem ato para cobrar que o governo gaúcho esclareça as circunstâncias da morte de Silva. O MST também quer que seja apresentado o policial autor do disparo. Na semana passada, as autoridades de segurança do Rio Grande do Sul anunciaram que o atirador já havia sido identificado, mas não divulgaram seu nome.
"A polícia tem o papel de tornar isso público, não pode esconder o assassino", disse Nina Tonin, da coordenação estadual do MST. Segundo a dirigente, a investigação "caminha para a impunidade".
Outro lado
A Secretaria da Segurança Pública voltou a defender o sigilo em torno da investigação até a conclusão dos inquéritos. A assessoria da secretaria afirmou que não comentaria as alegações de tortura porque não recebeu o relatório.
A assessoria de imprensa da Brigada Militar informou que somente se manifestará quando tiver acesso ao relatório
Fonte: Folha de São Paulo 02.09.2009


Em São Paulo ... Blog Desabafo Brasil

A Polícia Militar tenta conter os manifestantes com balas de borracha após morte de jovem durante a noite. Moradores da favela de Heliópolis, zona sul de São Paulo, voltaram a entrar em confronto com a Polícia Militar na tarde desta terça-feira, 1, em protesto contra a morte de uma estudante de 17 anos baleada durante uma suposta troca de tiros entre Guardas Civis Metropolitanos (GCMs) de São Caetano do Sul e um suspeito na Rua Cônego Xavier, na noite desta segunda-feira, 31. Os moradores, que já haviam realizado uma manifestação na madrugada desta terça, provocaram um incêndio. Fonte: Estadão.
No final da noite desta segunda-feira, 31, uma garota, de 17 anos, foi baleada na cabeça por uma bala perdida na Rua Cônego Xavier, na região de Heliópolis, zona sul de São Paulo.
Segundo os moradores, a vítima morreu no pronto-socorro do bairro após ser atingida durante o tiroteio entre ladrões de carro e a guarda municipal de São Caetano, cidade vizinha, do Grande ABC, que faz divisa com a região da favela.
Segundo os manifestantes, o tiro que acertou a jovem foi disparado por um GCM. A corporação alega que ainda é muito cedo para afirmar de onde partiu o disparo.
Os GCMs perseguiam um Ford Ka roubado pouco antes em São Caetano do Sul, no ABC paulista, ocupado por um casal. De acordo com o supervisor da corporação Adenízio Nascimento, a perseguição começou no Jardim São José, quando os suspeitos fugiram ao perceber a presença das viaturas, e seguiram rumo a Heliópolis. Conforme o guarda, os ocupantes do carro atiraram várias vezes contra os GCMs, que revidaram.
Fonte: http://desabafopais.blogspot.com

Façamos uma reflexão recorrendo ainda às provocações dos "rappers " do Facção Central:

"Até quando comer resto, lavar banheiro, abrir o boy no meio na ilusão de dinheiro, ser exterminado como judeu em Auschiwitz, mostrar pra Globo o que é viver no limite. A cruz da Klan tá queimando na sua frente, a SS agora veste o cinza da PM, de braço cruzado é só miolo espalhado no chão, discurso ou revólver, tá na hora da revolução".

Nenhum comentário:

Postar um comentário